sair

Tecle enter ou retorno para busca

Formação da empatia e a importância dela para nossa sociedade. Maria Alice Fontes


A empatia é um comportamento humano essencial para a sobrevivência da espécie, pois somente com ela um indivíduo pode se colocar no lugar de outro. Ao fazer isso, ele consegue respeitar o espaço alheio, o que mantém a harmonia do grupo e favorece a convivência social.

A empatia está presente no ser humano desde a sua infância, quando ainda é um bebê, mesmo que de forma tímida. É o que podemos notar com determinadas atitudes dos pequenos que visam auxiliar o outro, como chorar quando outro bebê chora, ou auxiliar outros indivíduos em determinadas tarefas, como demonstrado em alguns experimentos.

A origem da empatia

Em uma pesquisa de 2007, Bussab, Pedrosa e Carvalho, registraram em vídeo um menino de nove meses acariciando outro de treze que chorava. Depois que o choro cessou, ambos se olharam e começaram a brincar com seus rostos sorridentes. Tal ato, segundo os autores, é um forte indicativo de empatia, já que um menino percebeu o desconforto no outro.

De acordo com Lordelo e Carvalho (1989), as crianças podem mimetizar comportamentos empáticos de adultos. Desse modo, elas podem até mesmo modificar sua postura para modular sua voz, para que se torne mais acolhedora. Tudo para se ajustarem a rede social e afetiva em que ele está, com eles podendo demonstrar sinais de solidariedade desde cedo.

Bloom (2014) afirma que alguns traços de nosso senso de moral tem origem na evolução e que, como animais sociais, estamos orientados, desde o nascimento, à compaixão e a se colocar no lugar do outro. Principalmente nos mamíferos, que dependem muito dos cuidados maternos, a origem da empatia está atrelada ao senso de pertencimento e identificação a um grupo.

Contudo, dependendo da sua criação no seio familiar, os vínculos entre pais e criança, ela terá maior ou menor grau de empatia. Portanto, o desenvolvimento da empatia depende da socialização da criança, com os pais sendo o seu modelo de comportamento sócio-afetivo. Sem um ambiente favorável para o seu desenvolvimento, podem ocorrer déficits na empatia e, consequentemente, um comportamento agressivo e irresponsável.

Com o crescimento da criança em um ambiente saudável, a empatia vai se refinando e evoluindo para que o indivíduo possa se adequar a uma sociedade complexa como a nossa.

A necessidade de uma uma sociedade empática

No tópico anterior, vimos que a empatia está presente em nossa vida desde que éramos apenas bebês e que ela está relacionada com a nossa evolução, como forma de subsistência em grupo.

Nos tempos atuais, com a pandemia do COVID-19, vemos o quanto ela é necessária para a sociedade. Entretanto, mesmo neste cenário caótico no mundo, ainda encontramos pessoas que não demonstram empatia para com o próximo.

Em várias cidades do Brasil, talvez a maioria, há pessoas que dão um jeito de escapar do isolamento social e ir para aglomerações. Os jovens, por saberem que tem uma taxa de internação e mortalidade baixa, aproveitam para se divertir sem o mínimo senso de perigo.

Entretanto, mesmo com a taxa baixa de internação, os jovens cada vez mais estão ocupando os leitos de UTIs pelo Brasil, já que estão se cuidando menos do que os idosos. E, como os jovens têm uma possibilidade maior de sobrevivência do que idosos, eles acabam tendo preferência de atendimento. Então, os idosos perdem suas vagas nos leitos de UTI para os mais jovens. O que, infelizmente, pode provocar a morte destes.

Ao refletirmos sobre essa situação, há claramente uma falta de empatia dos jovens, já que estes não estão se colocando no lugar dos idosos. Isso demonstra uma grande falta de senso de comunidade, na qual os atos de uma pessoa podem ter consequência na vida de outra.

Na verdade, grande parte dos brasileiros estão com uma concepção totalmente fatalista, na qual eles pensam que suas ações não vão mudar o destino. Então, eles se aglomeram e desprezam qualquer tipo de prevenção, pois não acham que suas ações terão consequências transformadoras na sociedade, já que, quem morrer de COVID-19, morre porque este foi o seu destino, como se não houvesse nenhum jeito de impedir essa morte.

Esse comportamento denota uma extrema falta de responsabilidade, e, consequentemente, de empatia, porque sem responsabilidade, não há nem mesmo sentimento de culpa pelo o que acontece na sociedade, o que faz com que as pessoas possam transgredir as regras de isolamento social sem pensar duas vezes.

Não podemos nos deixar levar pelo fatalismo. Nossas ações transformam a sociedade, causam consequências que são culpa nossa. Sem responsabilidade, não há empatia, e, sem empatia, não há como uma sociedade se manter.


REFERÊNCIAS

https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/porescrito/article/view/28515/16462

https://www.youtube.com/watch?v=zksz-o_n8QQ

BUSSAB, Vera Silvia Raad; PEDROSA, Maria Isabel; CARVALHO, Ana Maria Almeida. Encontros com o outro: empatia e intersubjetividade no primeiro ano de vida. Psicol. USP , São Paulo, v. 18, n. 2, pág. 99-133, junho de 2007. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642007000200007&lng=en&nrm=iso>. acesso em 25 de março de 2021. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642007000200007.

LORDELO, Eulina da Rocha; CARVALHO, Ana Maria Almeida. Educação infantil e psicologia: para que brincar ?. Psicol. cienc. prof. , Brasília, v. 23, n. 2, pág. 14-21, junho de 2003. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932003000200004&lng=en&nrm=iso>. acesso em 25 de março de 2021. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932003000200004.

Bloom, Nicholas. 2014. "Fluctuations in Uncertainty." Journal of Economic Perspectives , 28 (2): 153-76. Disponível em: https://www.aeaweb.org/articles?id=10.1257/jep.28.2.153. Acesso em 25 de março de 2021.


 

2021-03-25

Plenamente Online

Informe seu e-mail* e receba nossos boletins

*Solicitaremos a confirmação na tela seguinte.
**Nunca usaremos suas informações para envio de spam