sair

Tecle enter ou retorno para busca

O que é função executiva? E como se relaciona com o desenvolvimento infantil?


A frase “função executiva” refere-se a um conjunto de habilidades. Essas habilidades fundamentam capacidade de planejar com antecedência e atingir metas, exibir autocontrole, seguir múltiplos passos e instruções mesmo quando interrompidas e permanecer focado apesar das distrações.

Muito parecido com um sistema de controle de tráfego aéreo em um aeroporto que ajuda aviões aterrissarem e decolem com segurança em diferentes direções, habilidades de função ajudam nossos cérebros a priorizar tarefas, filtrar distrações e impulsos de controle.

Ninguém nasce com habilidades de função executivas prontas, mas quase todo mundo pode aprendê-las.

Nossos genes fornecem o modelo para aprender essas habilidades, mas elas se desenvolvem através de experiências e prática. A base está na infância, quando bebês aprendem a primeiro prestar atenção. Relacionamentos com cuidadores responsivos são particularmente importantes neste estágio. Algo tão simples quanto jogar um jogo de esconde-esconde pode ajudar a construir as primeiras fundações de memória de trabalho e autocontrole quando um bebê antecipa a surpresa.

Adultos estabelecem a estrutura para as crianças aprenderem e praticarem essas habilidades ao longo do tempo, estabelecendo rotinas, quebrando grandes tarefas em pequenos pedaços, e incentivando jogos que promovem a imaginação, atuação (role-playing), seguindo regras e controlando impulsos. Essas técnicas são conhecidas como "andaimes". Assim como andaimes auxiliam os trabalhadores enquanto um edifício está sendo construído, adultos podem usar essas atividades para apoiar a emergência das habilidades de função executiva de crianças até elas conseguirem executar por conta própria.

Essas habilidades geralmente se desenvolvem mais rapidamente entre as idades de 3 a 5 anos, seguidas por outro pico de desenvolvimento durante o adolescente e início da idade adulta. Leva muito tempo e muita prática para desenvolvê-las, mas, à medida que as habilidades de função executiva das crianças crescem, os adultos podem gradualmente permitir que as crianças gerenciem mais e mais aspectos de seu ambiente.

Criar habilidades de função executiva em crianças beneficia a todos

O aumento da capacidade da função executiva nas crianças e adolescentes permite-lhes planejar e agir de modo que os torna bons alunos, cidadãos em sala de aula, e amigos.

Por sua vez, isso os ajuda a crescem como adultos capazes de conseguir manejar diversos compromissos, como parentalidade, emprego, educação continuada, e envolvimento cívico. Até a saúde é afetada, uma forte função executiva ajuda as pessoas a terem hábitos saudáveis e a reduzir o estresse. Quanto mais uma sociedade investe em construir o funcionamento executivo de seus filhos, maior será os dividendos que verá no futuro.

Por mais essenciais que sejam, não nascemos com as habilidades que nos permitem controlar impulsos, fazer planos e manter o foco. Nascemos com o potencial de desenvolver essas capacidades - ou não - dependendo de nossas experiências durante a infância, durante toda a infância e até a adolescência. Nossos genes fornecem o modelo, mas os primeiros ambientes em que as crianças vivem deixam uma através da prática e são fortalecidas pelas experiências através das quais elas são aplicadas e aprimoradas. Proporcionar o apoio que as crianças precisam para desenvolver essas habilidades em casa, em programas de cuidados infantis e pré-escola, e em outros ambientes que experimentam regularmente, é uma das responsabilidades mais importantes da sociedade. assinatura duradoura nesses genes.

Essa assinatura influencia como ou se esse potencial genético é expresso nos circuitos cerebrais subjacentes às capacidades das funções executivas nas quais as crianças dependerão ao longo de suas vidas. Essas habilidades se desenvolvem essas habilidades se desenvolvem através da prática e são fortalecidas pelas experiências através das quais elas são aplicadas e aprimoradas. Proporcionar o apoio que as crianças precisam para desenvolver essas habilidades em casa, em programas de cuidados infantis e pré-escola, e em outros ambientes que experimentam regularmente, é uma das responsabilidades mais importantes da sociedade.

Ser capaz de se concentrar, manter e trabalhar com informações em mente, filtrar distrações e trocar de marcha é como ter um sistema de controle de tráfego aéreo em um aeroporto movimentado para gerenciar as chegadas e partidas de dezenas de aviões em várias pistas. No cérebro, esse mecanismo de controle de tráfego aéreo é chamado de função executiva.

Isso se refere a um grupo de habilidades que nos ajuda a concentrar-se em múltiplos fluxos de informações ao mesmo tempo, monitorar erros, tomar decisões à luz das informações disponíveis, revisar planos conforme necessário e resistir à vontade de deixar a frustração levar a ações precipitadas. Adquirir os primeiros blocos de construção dessas habilidades é uma das tarefas mais importantes e desafiadoras dos primeiros anos da infância, e a oportunidade de desenvolver mais essas capacidades rudimentares é fundamental para o desenvolvimento saudável durante a infância e a adolescência. Assim como contamos com nosso bem desenvolvido “sistema de controle de tráfego aéreo” para passar por nossos complexos dias sem tropeços, as crianças pequenas dependem de suas habilidades de funções executivas emergentes para ajudá-las a aprender a ler e escrever, lembre-se das etapas realizar um problema de aritmética, participar de discussões de classe ou projetos de grupo, e entrar e sustentar o brincar com outras crianças. O funcionamento executivo cada vez mais competente da infância e da adolescência permite que as crianças planejem e ajam de maneira a torná-las bons alunos, cidadãos em sala de aula e amigos.

Crianças que não têm oportunidades de usar e fortalecer essas habilidades e, portanto, não conseguem se tornar proficientes - ou crianças que não têm capacidade para proficiência devido a deficiências ou adultos que a perdem devido a lesão cerebral ou velhice - tenho muita dificuldade em gerenciar as tarefas rotineiras da vida diária. Estudar, manter amizades, manter um emprego ou administrar uma crise representa desafios ainda maiores.

Corrigindo Equívocos Populares da Ciência

O fato de as crianças pequenas terem dificuldade com o autocontrole, planejar, ignorar as distrações e se adaptar às novas demandas não é novidade para os adultos que cuidam delas. Não é amplamente reconhecido, no entanto, que essas capacidades não se desenvolvem automaticamente com a maturidade ao longo do tempo. Além disso, é ainda menos conhecido que os circuitos cerebrais em desenvolvimento relacionados a esses tipos de habilidades seguem um cronograma extenso que começa na primeira infância e continua na adolescência passada e que fornece a base comum sobre a qual as habilidades sociais e de aprendizagem iniciais são construídas. Com base nesse novo entendimento, as seguintes concepções errôneas comuns sobre o desenvolvimento das habilidades das funções executivas podem ser deixadas de lado

Contrariamente à crença popular, aprender a controlar impulsos, prestar atenção e reter informações ativamente na memória não acontece automaticamente à medida que as crianças amadurecem, e as crianças pequenas que têm problemas com essas habilidades não necessariamente as superam.

A evidência é clara de que, aos 12 meses de idade, as experiências de uma criança estão ajudando a estabelecer as bases para o desenvolvimento contínuo das habilidades das funções executivas. Essas habilidades iniciais de concentrar a atenção, controlar os impulsos e manter as informações "on-line" na memória de trabalho parecem ser facilmente interrompidas por experiências precoces altamente adversas ou interrupções biológicas. Evidências também mostram que intervenções precoces destinadas a melhorar essas capacidades antes que uma criança entre na escola podem ter impactos benéficos em uma ampla gama de resultados importantes.

Ao contrário da crença popular, as crianças pequenas que não permanecem na tarefa, perdem o controle de suas emoções ou são facilmente distraídas não são “garotos maus” que estão sendo intencionalmente não cooperativos e beligerantes.

As crianças pequenas com habilidades de função executiva comprometidas ou atrasadas podem exibir comportamentos muito desafiadores pelos quais são frequentemente culpados. Na maioria das circunstâncias, no entanto, é o desenvolvimento prolongado do córtex pré-frontal que deve “culpar”. Esforços para ajudar crianças afetadas a desenvolver melhores habilidades de função executiva e ajustes das demandas impostas a eles para evitar sobrecarregar suas capacidades são muito mais úteis do que punição por comportamento difícil. Particularmente, quando experiências ou ambientes adversos provocam uma resposta tóxica ao estresse, pode ser muito difícil, até mesmo para as crianças mais competentes, recorrer a quaisquer habilidades de função executiva que possuam. Nessas circunstâncias, o fornecimento de um ambiente seguro e previsível oferece a sensação de segurança necessária para que ocorra uma mudança bem-sucedida de comportamento.

Ao contrário da teoria que orienta alguns programas de educação precoce que se concentram apenas no ensino de letras e números, os esforços explícitos para promover o funcionamento executivo têm influências positivas na instilação de habilidades iniciais de alfabetização e alfabetização matemática.

Evidências iniciais de estudos randomizados de intervenções destinadas a promover o conjunto de habilidades de funções executivas (memória de trabalho, atenção, controle inibitório etc.) indicam benefícios nas habilidades iniciais de alfabetização e matemática em comparação com crianças que vivenciam atividades de sala de aula “regulares”. De fato, há também evidências de que as habilidades emergentes de funções executivas contribuem para a leitura precoce e o aproveitamento de matemática durante os anos de pré-escola e no jardim de infância. Isso não é surpreendente na medida em que a aquisição de habilidades acadêmicas tradicionais depende da capacidade da criança de seguir e lembrar as regras da sala de aula, controlar as emoções, focar a atenção, ficar quieto e aprender sob demanda ouvindo e assistindo. Os neurocientistas também estão começando a relacionar aspectos específicos do funcionamento executivo, notavelmente habilidades de atenção, a passos específicos envolvidos em aprender a ler e a trabalhar com números. É importante enfatizar que esta pesquisa está em sua infância, e ainda há muito a ser aprendido. Não só precisamos entender os fatores de efetividade que explicam os impactos emergentes na prontidão escolar de intervenções destinadas a enfocar as habilidades das funções executivas, mas também precisamos examinar se os programas eficazes de educação precoce se concentram diretamente no social, no letramento matemático e na linguagem também têm impactos positivos no funcionamento executivo. Assim, a natureza altamente inter-relacionada dessas capacidades torna difícil rotular qualquer intervenção única como focada explicitamente (ou não) nos domínios críticos do funcionamento executivo.


Traduzido e adaptado por Maria Alice Fontes e Claudia Fischer do Center of Developing Child – Harvard University. https://developingchild.harvard.edu/resources/what-is-executive-function-and-how-does-it-relate-to-child-development/


Diretor do Center of Developing Child:
Jack P. Shonkoff, M.D., is the Julius B. Richmond FAMRI Professor of Child Health and Development at the Harvard T.H. Chan School of Public Health and Harvard Graduate School of Education; Professor of Pediatrics at Harvard Medical School and Boston Children’s Hospital; Research Staff at Massachusetts General Hospital; and Director of the university-wide Center on the Developing Child at Harvard University.

2019-09-30

Informe seu e-mail* e receba nossos boletins

*Solicitaremos a confirmação na tela seguinte.
**Nunca usaremos suas informações para envio de spam