sair

Tecle enter ou retorno para busca

Sinais de alerta para a violência juvenil


Introdução

Violência é o ato de machucar propositadamente alguém. E é uma questão importante que os jovens adultos de hoje enfrentam. De acordo com a pesquisa de Vigilância de Comportamentos de Risco Juvenil do Centro de Controle e Prevenção de Doenças de 2011, 16,6% dos estudantes do ensino médio portavam uma arma pelo menos uma vez durante os 30 dias antes de serem pesquisados. E 7,4% relataram que foram ameaçados ou feridos com uma arma. Muitos fatores diferentes causam comportamento violento. Quanto mais esses fatores estiverem presentes em sua vida, maior a probabilidade de você cometer um ato de violência.

Razões para violência

O que motiva alguém a socar, chutar, apunhalar ou disparar uma armar contra outra pessoa ou contra si? Nunca há uma resposta simples para esta questão. Mas as pessoas frequentemente cometem atos de violência por causa de um ou mais dos seguintes fatores:

Expressão: algumas pessoas usam a violência para liberar sentimentos de raiva ou frustração. Eles acreditam que não há resposta para os seus problemas e se voltam para a violência para expressar que seus sentimentos estão fora de controle. 
Manipulação: a violência é usada como forma de controlar os outros ou conseguir algo que eles querem. 
Retaliação: a violência é usada para retaliar contra aqueles que os machucaram ou machucaram alguém com quem se importam. 
Violência é um comportamento aprendido. Como todos os demais comportamentos aprendidos, pode ser mudado. Mas não é fácil. Como não há uma única causa para a violência, não há uma solução simples. O melhor que você pode fazer é aprender a reconhecer os sinais de alerta da violência e obter ajuda quando os identificar em amigos ou em si mesmo.

Reconhecendo sinais de violência em outras pessoas 

Com frequência pessoas que agem de forma violenta têm dificuldades controlando seus próprios sentimentos. Eles podem ter sido feridos por outras pessoas. Alguns pensam que fazer com que as pessoas os temam através da violência ou de ameaças de violência resolverá os seus problemas ou lhes trará respeito. Isso não é verdade. Alguma violência ocorre como uma resposta a danos prolongados, traumas, intimidação (bullying) ou vitimização. Pessoas podem usar a violência para conseguir algo, enquanto outras podem agir para se proteger ou por desespero. Pessoas que agem violentamente perdem o respeito. Elas eventualmente se encontram isoladas ou “desgostadas”, e elas ainda se sentem com raiva e frustradas. 

A raiva em si nem sempre é um sinal de que a violência é iminente. Embora a raiva possa ser um sinal de alerta de violência, ela deve ser contextualizada. De fato, ao assumir que a raiva ou o aumento do abuso de substâncias sempre levará à violência, significa que muitas pessoas não violentas que precisam de ajuda se tornam injustamente caracterizadas como violentas. O que é mais importante olhar é se há sinais “novos” e mudanças significativas no comportamento.
A presença de alguns dos sinais ou fatores listados abaixo deve nos alertar para a possibilidade de um indivíduo estar em risco de violência. Deve-se notar, no entanto, que a presença de um ou mais sinais ou fatores não significa necessariamente que a pessoa será violenta.

Alguns sinais de potencial para a violência podem ser fatores históricos ou estáticos (imutáveis) como:

• Histórico de comportamento violento ou agressivo
• Pouca idade no primeiro incidente violento
• Ter sido vítima de bullying
• Histórico de problemas disciplinares ou conflitos frequentes com autoridade
• Abuso ou negligência na primeira infância
• Ter testemunhado violência em casa
• Família ou pais toleram uso de violência
• Um histórico de crueldade para com os animais
• Ter uma doença mental grave
• Ser insensível ou sem empatia pelos outros
• Histórico de vandalismo ou danos à propriedade
Outros sinais de violência potencial podem estar presentes ao longo do tempo e podem aumentar ou contribuir para o risco de violência devido a um determinado evento ou atividade. Estes podem incluir:
• Uso sério de drogas ou álcool
• associação de gangues ou forte desejo de estar em uma gangue
• Acesso ou fascínio por armas, especialmente armas de fogo
• Problemas para controlar sentimentos como raiva
• Retirada de amigos e atividades habituais
• Sentir-se regularmente rejeitado ou sozinho
• Sentir-se constantemente desrespeitado


Alguns sinais de violência potencial podem ser sinais novos ou ativos. Eles podem se parecer com:

• Maior perda de temperamento
• Luta física frequente
• Maior uso de álcool ou drogas
• Maior comportamento de risco
• Declínio do desempenho escolar
• Episódio agudo de doença mental importante
• Planejando como cometer atos de violência
• Anunciar ameaças ou planos para ferir os outros
• Obtenção ou transporte de arma

Há pesquisas que indicam que sinais novos ou ativos são mais preditivos de risco de violência a curto prazo do que fatores históricos, que podem ser mais preditivos de risco a longo prazo.

O que você pode fazer se alguém que você conhece mostrar sinais de alerta de violência

Quando você reconhece sinais de aviso de violência em outra pessoa, há coisas que você pode fazer. Esperar que alguma outra pessoa possa lidar com a situação é o caminho mais fácil.
Acima de tudo, esteja seguro. Não passe tempo sozinho com pessoas que mostram sinais de alerta. Se possível, sem se colocar em perigo, remova a pessoa da situação que a está soltando.

Diga a alguém em quem você confia e respeite suas preocupações e peça ajuda. Pode ser um membro da família, um orientador, um professor, um psicólogo escolar, um técnico, um clero, um oficial de recursos da escola ou um amigo.

Se você está preocupado em ser vítima de violência, consiga alguém com autoridade para protegê-lo. Não recorra à violência ou use uma arma para se proteger.

A chave para realmente prevenir o comportamento violento é pedir ajuda a um profissional experiente. A coisa mais importante a lembrar é não ir sozinho e levar a sério quaisquer sinais ou ameaças.

Lidando com raiva

É normal sentir raiva ou frustração quando você é decepcionado ou traído. Mas a raiva e a frustração não justificam a ação violenta. A raiva é uma emoção forte que pode ser difícil de controlar, mas a resposta correta é sempre ficar “sob controle”.

Aqui estão algumas maneiras de lidar com a raiva sem recorrer à violência:

• Aprenda a falar sobre seus sentimentos - se você tem medo de falar ou se não consegue encontrar as palavras certas para descrever o que está passando, procure um amigo ou adulto de confiança para ajudá-lo pessoalmente.

• Expresse-se com calma - expresse críticas, desapontamento, raiva ou descontentamento sem perder a paciência ou a briga. Pergunte a si mesmo se sua resposta é segura e razoável.

• Ouça os outros - ouça atentamente e responda sem se aborrecer quando alguém lhe der um feedback negativo. Pergunte a si mesmo se você pode realmente ver o ponto de vista da outra pessoa.

• Negocie - resolva seus problemas com outra pessoa, procurando soluções alternativas e compromissos.

• Faça uma pausa e acalme-se antes de responder à situação ou pessoa que está provocando sua raiva.

A raiva faz parte da vida, mas você pode se libertar do ciclo de violência aprendendo a falar sobre seus sentimentos. Seja forte. Seja seguro (Be safe). Fique tranquilo.

Você está em risco de comportamento violento?

Se você reconhecer qualquer um desses sinais de comportamento violento em si mesmo, fale com alguém que possa ajudar, um amigo, mas especialmente um adulto em quem você confia.

Você não tem que viver com a culpa, tristeza e frustração que vem de ferir os outros.

Admitir que você tem uma preocupação em ferir os outros é o primeiro passo. A segunda é conversar com um adulto de confiança, como um conselheiro da escola ou psicólogo, professor, membro da família, amigos ou clero. Eles podem entrar em contato com um profissional de saúde mental licenciado que se importe e possa ajudar.


Controlando seu próprio risco de comportamento violento

Todo mundo sente raiva em seu próprio caminho. Comece a gerenciá-la reconhecendo como a raiva é sentida por você.

Quando você está com raiva, você provavelmente sente:

• Tensão muscular
• Pulsação acelerada
• Um "nó" ou "borboletas" no estômago
• Alterações na sua respiração
• Tremor
• Arrepios
• O rosto ruborizado

Você pode reduzir a descarga de adrenalina que é responsável pelo seu coração batendo mais rápido, sua voz soando mais alta e seus punhos cerrados se você:

• Respire lenta e profundamente e concentre-se em sua respiração.
• Imagine-se na praia, em um lago ou em qualquer lugar que faça você se sentir calmo e tranquilo.
• Tente outros pensamentos ou ações que ajudaram você a relaxar no passado.

Continue dizendo a si mesmo:

• "Acalme-se."
• "Eu não preciso provar a mim mesmo".
• "Eu não vou deixá-lo / ela chegar até mim".


Pare. Considere as consequências. Pense antes de agir. Tente encontrar explicações positivas ou neutras para o que essa pessoa fez que te provocou. Não discuta na frente de outras pessoas. Faça do seu objetivo derrotar o problema, não a outra pessoa. Aprenda a reconhecer o que lhe provoca e como a raiva é sentida por você. Aprenda a pensar sobre os benefícios de controlar sua raiva e as consequências de perder o controle. Acima de tudo, fique bem e pense. Só você tem o poder de controlar seu próprio comportamento violento. Não deixe a raiva controlá-lo.


Violência contra o eu

Algumas pessoas que têm dificuldade em lidar com seus sentimentos não reagem atacando os outros. Em vez disso, eles direcionam a violência para si mesmos. A expressão mais final e devastadora desse tipo de violência é o suicídio. Como as pessoas que são violentas em relação aos outros, os potenciais vítimas de suicídio costumam se comportar de maneiras reconhecíveis antes de tentarem acabar com suas vidas. Suicídio, como outras formas de violência, é evitável. Os dois passos mais importantes na prevenção são reconhecer os sinais de alerta e obter ajuda. Sinais de alerta de auto violência em potencial podem incluir:


• Tentativas anteriores de suicídio
• Uso significativo de álcool ou drogas
• Ameaçar ou comunicar pensamentos de suicídio, morte, morte ou vida após a morte
• Aumento repentino de mau humor, abstinência ou isolamento
• Maior mudança nos hábitos alimentares ou de sono
• Sentimentos de desesperança, culpa ou inutilidade
• Pobre controle sobre o comportamento
• Comportamento agressivo e impulsivo
• Queda na qualidade do desempenho escolar ou interesse
• Falta de interesse na atividade habitual
• Enfrentando problemas com figuras de autoridade
• Perfeccionismo
• Doação de bens importantes
• Insinuar não estar por perto no futuro ou dizer adeus
• Sentir-se como um fardo para os outros


Estes sinais de aviso são especialmente dignos de nota no contexto de:

• Morte recente ou suicídio de um amigo ou familiar
• Um recente rompimento com um namorado ou namorada ou conflito com os pais
• Notícias de outros suicídios de jovens da mesma escola ou comunidade


Muitas vezes, o pensamento suicida vem do desejo de acabar com a dor psicológica profunda. Mas tenha em mente que a dor geralmente diminui e os sentimentos mudam. Quase sempre há opções para algo tão definitivo quanto o suicídio. Às vezes só precisamos de ajuda para vê-los. Se um amigo menciona suicídio, leve a sério. Ouça atentamente e depois procure ajuda imediatamente. Nunca mantenha a conversa de suicídio em segredo, mesmo que lhe peçam. Lembre-se, você corre o risco de perder essa pessoa para sempre. Quando você reconhecer os sinais de alerta para comportamento suicida, faça algo sobre isso. Diga a um adulto de confiança o que você viu ou ouviu. Obtenha ajuda de um profissional de saúde mental licenciado assim que possível. Eles podem ajudar a resolver os problemas que parecem tão insolúveis, mas, na verdade, não são. Tome uma posição contra a violência.



Sobre este guia

O guia original de Sinais de Alerta de Violência Juvenil foi co-produzido pela APA e pela MTV em 1999 para ajudar os jovens a reconhecerem quando um colega ou amigo pode ser um perigo em potencial para eles mesmos ou para os outros. O projeto foi lançado com a exibição de um especial de 30 minutos da MTV, chamado "Warning Signs" em 22 de abril de 1999. "Warning Signs" foi a primeira grande peça de programação em "Luta por seus Direitos: Tome uma posição contra a violência" "Campanha pró-social da MTV de 1999. Durante a última década, a rede de psicólogos de base da APA trabalhou nas comunidades para fornecer informações sobre os sinais de alerta da violência juvenil, organizando programas de visualização e discussão de vídeos e dando entrevistas e apresentações na mídia.
Em janeiro de 2013, o guia de Sinais de Alerta da Violência Juvenil foi atualizado com a ajuda dos seguintes psicólogos:
Alan Berman, PhD, ABPP
Associação Americana de Suicidologia, Washington, D.C.
Eva Feindler, PhD
Universidade de Long Island / C.W. Post Campus
Phillip M. Kleespies, PhD
VA Boston Healthcare System
Peter Sheras, PhD
Universidade da Virgínia; Escola de Caril de Educação
A APA reconhece com gratidão os seguintes colaboradores originais deste guia:
Alan Berman, PhD
Associação Americana de Suicidologia, Washington, D.C.
Eva Feindler, PhD
Universidade de Long Island / C.W. Post Campus
Arnold Goldstein, PhD
Universidade de Syracuse, Centro de Pesquisa sobre Agressão
Nancy Guerra, EdD
Universidade da Califórnia em Riverside
Rodney Hammond, PhD
Centros de Controle e Prevenção de Doenças
Peter Sheras, PhD
Universidade da Virgínia; Escola de Caril de Educação
Fernando Soriano, PhD
Universidade Estadual de San Diego; Hospital Infantil de San Diego
aviso Legal
As informações contidas nesta publicação não devem ser usadas como um substituto para assistência ou consulta de saúde mental e saúde mental. Indivíduos que acreditam que podem necessitar ou beneficiar de cuidados devem consultar um psicólogo, psicólogo escolar ou outro profissional de saúde / saúde mental licenciado. Para encontrar um psicólogo, visite o Localizador de psicólogos da APA. Agradecimentos
Sobre a Associação Americana de Psicologia
A APA, localizada em Washington, D.C., é a principal organização científica e profissional que representa a psicologia nos Estados Unidos. Através de suas divisões em 54 subcampos de psicologia e afiliações com 60 associações provinciais estaduais, territoriais e canadenses, a APA trabalha para promover a criação, comunicação e aplicação de conhecimentos psicológicos para beneficiar a sociedade e melhorar a vida das pessoas.

Atualizado em janeiro de 2013
 

 

Tradução de : https://www.apa.org/helpcenter/warning-signs

 

 

2019-04-28

Informe seu e-mail* e receba nossos boletins

*Solicitaremos a confirmação na tela seguinte.
**Nunca usaremos suas informações para envio de spam