Página Inicial

Briga entre irmãos, qual o limite entre normalidade e bullying? Luiz Guilherme Florence, Maria Alice Fontes

O que é bullying?

Bullying é um termo usado para descrever atos repetidos de violência física, moral ou psíquica, praticados por um indivíduo contra outro e cuja repercussão afeta a saúde mental ou física da vítima, criando um ambiente de estresse e angustia para quem está vivendo tal situação. Alguns autores adicionam o fato do ato ser praticado por pessoas em situação nitidamente desigual de poder ou força em relação a vítima.

Como os pais podem reconhecer o bullying entre irmãos?

Os pais podem reconhecer o bullying quando as situações de rivalidade e ciúme entre os irmãos começa a se tornar excessiva e um deles começa a apresentar sintomas relacionados a questões de saúde mental. Tais como os citados abaixo.

Quais comportamentos devem observar?

Os sintomas geralmente giram em torno de questões de ansiedade e depressão. Nas crianças as manifestações relacionadas a tais quadros podem ser distintas das dos adultos. Podemos ver crianças especialmente irritadas, mais agressivas, menos tolerantes, mais agitadas, mais opositoras e desafiadoras, menos dispostas a situações de lazer em família, evitando situações em que o irmão possa estar presente, mais chorosas, mais caladas, com baixa auto estima e podendo apresentar uma queda do rendimento escolar. Outros problemas possíveis estão relacionados a distúrbios de sono, alimentação e questões psicossomáticas (enurese, encoprese, dores de cabeça ou abdominais e etc?).

O bullying entre irmãos é comum?

O que dizem é que esse tipo de bullying é mais comum do que se imagina, mas não temos dados concretos em relação a tal situação, até devido a dificuldade de se discernir a rivalidade entre irmãos com situações de bullying.

O que pode "provocar" o bullying entre irmãos?

Ele pode ser desencadeado pela própria criança quando esta luta com o irmão pelo amor dos pais ou por situações em que os pais apresentam um manejo inadequado da rivalidade entre os filhos. Outras situações possíveis são: quando um dos filhos é adotivo ou quando um deles tem alguma deficiência física, mental ou intelectual.

Os pais são "culpados"?

Não existe culpado nessas situações. O que pode acontecer é que o manejo dessas situações em família esteja perpetuando esse contexto ao invés de barrar tais comportamentos. Aí vão algumas dicas aos pais:
- Sejam justos
- Evitem fazer várias comparações entre os filhos
- Ajudem as crianças e lidar com suas próprias diferenças
- Tente ser imparcial diante de um conflito entre os filhos
- Ajude-os a resolver os conflitos
- Quando for necessário dar uma bronca ou reprender, faça-o em um ambiente reservado sem que seu outro filho fique assistindo

Quando as agressões extrapolam o "normal" - talvez uma rivalidade, ciúme entre irmãos - e passam a ser bullying?

Como citado acima, isso acontece sempre que um deles apresenta algum sinal de sofrimento, tanto físico quanto psíquico. A dica é observar os comportamentos atípicos das crianças (descritos acima) que podem sinalizar isso. É importante lembrar que podemos e precisamos evitar os exageros nas situações já esperadas de rivalidade e ciúme entre irmãos, afim de evitar que isso se torne um problema familiar. Se a situação estiver difícil de ser resolvida, não hesite em consultar um especialista em saúde infantil. Muitas vezes, a orientação psicológica para os pais ou algumas sessões de terapia familiar podem atenuar o problema.

Como agir com o filho agressor? E com o agredido?

Não podemos nos precipitar e fazer julgamentos imprecisos sobre a situação. É muito mais fácil sairmos em defesa da vítima e crucificarmos o agressor. Porém, o filho que agride pode simplesmente estar se sentindo excluído pelos pais e, por conta disso, praticando atos de violência contra o irmão. Entender a origem do problema é de fundamental importância. Em alguns casos, principalmente em crianças mais novas, a questão pode ser desencadeada por uma situação de ciúme bobo, mas que vai se tornando em um grande problema se isso não for identificado de maneira correta a rápida. Os pais precisam ser firmes, posicionando-se como referências para as crianças, fazendo-os notar que não há preferências por determinado filho e que o problema precisa ser resolvido. O agressor precisa entender que está causando sofrimento ao irmão e também precisa se dar conta do porque está realizando tais atos. O agredido precisa entender que aquilo pode estar acontecendo porque seu irmão é que pode estar com problemas e descontando na pessoa errada, precisa também perceber que seus pais não foram coniventes com o outro filho e nem o deixaram sem defesa. O fato é que ambos filhos precisam ser amparados pelos pais.

Qual o impacto do bullying na relação entre os irmãos? Caso não seja "resolvido" na infância pode deixar "sequelas" na relação entre os irmãos?

Sem dúvida alguma a relação entre os irmãos pode se tornar conturbada quando o bullying é caracterizado de fato. Podem ocorrer brigas, afastamento e má relação com familiares e amigos. Outra certeza é de que as sequelas existirão e serão cada vez maiores se a intervenção dos pais e profissionais da infância não for rápida e eficaz.

2013-11-10 00:00:00

Profissionais relacionados

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.