Página Inicial

Psicopedagogo, professor particular ou psicólogo? Quando procurar ajuda e como diferenciar as necessidades do seu filho? Monica Maino, Maria Alice Fontes

O baixo rendimento escolar costuma preocupar os pais, que, muitas vezes, ficam confusos, sem saber ao certo o que fazer.

Notas baixas podem ter muitas explicações. Um critério bem simples para buscar ajuda é verificar se a dificuldade é pontual, referente a um determinado conteúdo ou se envolve problemas recorrentes de aprendizado. Isso pode nos indicar inclusive qual o profissional procurar.

Por exemplo, um aluno que nunca apresentou baixo rendimento escolar pode ter um declínio nas notas, justamente quando é introduzido algum novo conceito em determinada disciplina, como ?análise sintática? em gramática. Neste caso, geralmente, com a orientação e o acompanhamento de um professor dessa disciplina, os resultados podem ser rápidos e logo esse garoto alcançará bom desempenho novamente. Assim, para os problemas pontuais onde se tem defasagem de conteúdo, sem a presença de transtornos de aprendizagem importantes, o professor particular é o mais indicado.

Mas como saber se o seu filho tem algum transtorno de aprendizagem ou uma condição clínica que traga problemas pedagógicos associados?

Quando os pais identificam que existem problemas crônicos no aprendizado, o ideal é que seja realizada uma avaliação ampla, com testes neuropsicológicos e psicopedagógicos. Neste tipo de avaliação, as diversas funções mentais são investigadas profundamente através de testes padronizados. Assim é possível levantar hipóteses sobre os vários fatores que prejudicam o desempenho na escola, como por exemplo: discalculia, dislexia, déficit de atenção (TDAH), compreensão, memória, funções executivas, além dos problemas emocionais como: dificuldades de socialização, oposição a regras de comportamento, ansiedade, depressão e até eventualmente, uso de drogas.

Na clínica Plenamente, este tipo de avaliação tem início com uma entrevista detalhada com os pais sobre o histórico do filho. Em seguida, começamos a avaliação com a criança utilizando vários instrumentos padronizados internacionalmente, adaptados à realidade brasileira, além de testes projetivos, entrevista com profissionais da escola e tudo o que for necessário para o entendimento completo do caso. Os resultados são discutidos por uma equipe multidisciplinar, que sugere qual seria o melhor encaminhamento.

Só então é dado um feedback aos pais, que, orientados de forma objetiva, terão a segurança necessária para seguir o tratamento com o profissional que mais se adequar as necessidades da criança. Escolher entre os profissionais de saúde para o caso específico de uma criança ou adolescente é tarefa delicada. Dentre as possibilidades, os pais podem contar com:

a) psicólogo: para os casos onde a motivação ou os fatores emocionais têm grande impacto sobre os resultados;

b) fonoaudiólogo: para questões relacionadas ao processamento da linguagem, troca de fonemas, dislexia;

c) psicopedagogo: para auxiliar nas questões de organização de estudos, estruturação de respostas, interpretação, desenvolvimento de técnicas de memorização;

d) pedagogo: quando existem dificuldades pontuais no processo de alfabetização, em conteúdos ou na sistematização dos estudos;

e) psiquiatra ou neurologista: quando a criança precisar de um médico para introdução de algum tipo de medicação.

Em nossa clínica, durante todo o tratamento, os casos de cada criança ou adolescente são discutidos em reuniões clínicas semanais por todos os membros da equipe multidisciplinar, e, em qualquer estágio do tratamento pode haver uma eventual intervenção de algum deles.

Para o sucesso do tratamento é fundamental que os pais participem ativamente, que continuem acompanhando os boletins e retornem periodicamente à clinica para receberem orientações e participarem de perto da evolução.

Existem evidências que uma boa avaliação inicial pode otimizar os resultados, pois analisa as necessidades específicas e quem é o profissional mais indicado para o caso. Além disso, é possível que as demandas e necessidades mudem ao longo do tratamento, e uma reavaliação com um novo direcionamento sempre é possível, quando se tem uma equipe interdisciplinar trabalhando em conjunto.

Concluindo, uma avaliação abrangente e um diagnóstico preciso podem indicar quem é o profissional mais adequado para acompanhar os problemas pedagógicos de seu filho.

2013-09-12 00:00:00

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.