Página Inicial

Entre a censura e a liberdade: o dilema dos pais de adolescentes. Mariana Bacigalupo Martins, Maria Alice Fontes

O que é censura e o que é liberdade?

Censurar é o ato de criticar, notar, fazer reparos sobre a falha, condenar, reprovar e repreender. O substantivo censura significa condenação e reprovação. Assim, o ato de censurar implica necessariamente um exame crítico ou julgamento e uma tentativa de reparação daquilo que se considera falho.

Quando se fala em censura, somos automaticamente levados a pensar também na palavra liberdade e em sua definição. Liberdade é a faculdade de cada um se decidir ou agir segundo a própria determinação, dentro dos limites impostos por normas definidas. É a capacidade de praticar tudo que não é proibido por lei; permissão; licença; intimidade às vezes abusiva. Na acepção filosófica, liberdade é o caráter ou condição de um ser que não está impedido de se expressar, ou que efetivamente expressa, algum aspecto de sua essência ou natureza.

O problema da liberdade humana, consiste exatamente na determinação dos limites desde que os sujeitos reconheçam o significado das normas, as implicações e consequências dos atos que podem se envolver.

Portanto, nota-se que o conceito de liberdade, além da idéia de permissão, também está relacionado à capacidade de agir conforme a própria essência mas, dentro de limites e normas definidas.

Por que censurar ao invés de impor limite para os adolescentes?

A adolescência compreende a faixa etária a partir dos 12 até os 18 anos de idade e o adolescente é uma pessoa em processo de desenvolvimento que tem direito à liberdade. No entanto, para exercer a liberdade é preciso que ele seja capaz de reconhecer as implicações e consequências de seus atos. É preciso que ele compreenda a natureza dos limites e normas de sua realidade.

Para censurar o adolescente, não basta impor um limite ou uma restrição. É necessário que ele compreenda as razões e as implicações da reprovação ou da norma. Na realidade, sabe-se que o adolescente encontra no desafio um prazer, e assim que se estabelecem normas rígidas, sem comunicação, pode se esperar que o adolescente tente desafiar esta lei.

Portanto, para que o jovem possa desfrutar de suas potencialidades com liberdade é preciso que ele compreenda o significado da censura que os pais possam fazer, favorecendo que a negociação aconteça na maior parte das vezes.


Quando os pais impõe um limite rígido sem negociação, eles agem restringindo e impedindo a conduta, mas quando censuram, possibilitam que o adolescente entenda o sentido da reprovação permitindo que futuramente, eles possam vir a reparar o erro.

O que se pode censurar?

Não há uma resposta única, pois cada família tem seus valores e suas diferenças e por isso, acabam exercendo de maneiras também diferentes os papéis de mãe ou de pai e transmitindo aos filhos valores peculiares.

Conteúdos de violência e de teor sexual permeiam o cotidiano nas TVs, internet e vídeo games e nem sempre os pais estabelecem o mesmo critério de censura diante deles. O que representa sensualidade para uma mãe? O que significa violência para um pai? As respostas poderiam ser bastante diversas. O ato de jogar vídeo game, para alguns pais, pode significar a introdução de um conteúdo violento. Para outros, pode ser simplesmente um momento de confraternização ou uma maneira de compartilhar tempo e afeto com seus filhos. Assim é necessário que os pais reflitam sobre o que realmente necessita ser censurado, deixando o não para o que realmente importa.

Qual o impacto da internet e das mídias na vida dos adolescentes?

O mundo de hoje nos oferece um crescente ambiente de interatividade com inúmeras possibilidades de comunicação. Desta forma, os dispositivos eletrônicos como o Facebook ou Twitter, além da criação de blogs ou sites na internet podem representar a oportunidade de interação e identificação com um grupo, fator muito relevante na adolescência. No mundo atual, a comunicação está muito desenvolvida e os novos dispositivos eletrônicos também podem ser motivo de encontro e troca, além de um incentivo para escrever, registrar e comunicar.

O que censurar?

A responsabilidade de filtrar o conteúdo desnecessário cabe aos pais e estes censuram imagens e informações de acordo com o conjunto de pressupostos e regras pessoais. Assim, não existe uma lista de condutas certas ou erradas para seguir, mas há o entendimento de que a censura está diretamente associada aos juízos de valores e significados que os atos e informações têm para cada família. Portanto, a mídia ou os meios de comunicação não são os vilões, eles oferecem recursos bem interessantes e prazerosos. A quantidade de horas e os conteúdos veiculados pelas mídias podem ser censurados pelos pais, isto é, devem ser regulados de acordo com o conjunto de valores familiares a que o adolescente ou criança pertence, entendendo sempre a necessidade do adolescente participar e negociar a sua própria liberdade.

Bibliografia:

BRASIL. Constituição (1988). Artigo 227. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm Acesso em 24 de setembro de 2011.

GENESTRETI, Guilherme. Game Terapia. Jornal Folha de São Paulo. São Paulo, 21 de fevereiro de 2011. Disponível em http://acervo.folha.com.br/fsp/2011/02/21/15 Acesso em 24 setembro 2011.

GUTIERRA, Beatriz C. Cruz. Adolescência, Psicanálise e Educação. São Paulo: Avercamp, 2003.

JERUSALINSKY, Alfredo. As crianças e as novelas de televisão. Seminários IV. Novas Incidências sobre a sexualidade Infantil. São Paulo: Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia. Pré-Escola Terapêutica Lugar de Vida. Outubro/2004. (p.41-51)


 

2011-10-28 00:00:00

Temas relacionados

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.