Página Inicial

O que é Depressão Infantil? Maria Alice Fontes

A depressão pode ter início em qualquer fase ou idade, cerca de 10% da população mundial já teve depressão em algum momento da vida. Alguns autores estimam que 2% a 5% das crianças apresentam depressão. Este alto e preocupante índice nos alerta que quando não propriamente diagnosticada e tratada, a depressão pode desencadear  prejuízos no desenvolvimento emocional, familiar, social, além de dificuldades escolares. Em casos mais graves, pode levar ao isolamento, fator extremamente nocivo para o desenvolvimento da criança.

 


O que é depressão?

A depressão se caracteriza pela diminuição ou perda do interesse nas atividades, tristeza, redução da energia, além de vários sintomas físicos como insônia e perda de peso; e cognitivos como diminuição da atenção e memória. No caso de crianças e adolescentes a tristeza pode não ser tão evidente, e a sintomamatologia ser marcarada pela irritabilidade e impulsividade, de acordo com o período de desenvolvimento.

 


Os sintomas da depressão são diferentes na criança e no adulto?

Os conceitos são comparáveis, no entanto d ependendo da idade, as crianças podem apresentar sintomas diferentes apesar de persistirem os mesmos sinais básicos como: sofrimento emocional, inibição psíquica global e estreitamento do campo vivencial. As crianças menores quando ainda não possuem habilidade de expressar suas verdadeiras emoções, podem apresentar mudanças de comportamento tanto no sentido da hiperatividade, como da apatia. Quanto maiores são as crianças, mais parecidos os sintomas com os dos adultos.


Como identificar a depressão infantil?

É preciso estar atento as mudanças no comportamento da criança. Os sintomas depressivos variam de acordo com a faixa etária. Quando as crianças ainda não conseguem expressar claramente seus sentimentos verbalmente, é necessário observar as formas de comunicação pré-verbal, tais como mudanças de comportamento repentino, alterações das expressões faciais ou da postura corporal, produções gráficas, irritabilidade, choro fácil e especialmente perda de interesse por brincar. No âmbito social, a depressão na infância pode afetar especialmente as relações sociais, ou seja as amizades e a capacidade da criança se relacionar com os outros, podendo chegar até ao isolamento.

 

Fase pré escolar (0-2 anos) 

É preciso estar atento as alterações nas expressões mímicas e de comportamento, elas podem manifestar mesmo que de forma mascarada, humor rebaixado. Os principais indícios de depressão nesta fase são: inquietação, choro freqüente, recusa alimentar, apatia e alterações no sono, queixas de dores abdominais sem causa aparente, retardo no desenvolvimento físico esperado para idade, medos inespecíficos, hiperatividade, fisionomia triste e irritabilidade.

Idade escolar (2 a 11):

O comportamento pode indicar sinais de ansiedade, principalmente nas relações familiares próximas com a mãe, o pai e os irmãos. Os principais indícios de depressão nesta fase são: regressão psicoemocional, enurese, encoprese e atraso lingüístico e falta de interesse pelo brincar.

Idade escolar - pré adolescência (12 a 17)
Nessa fase, geralmente a depressão compromete o rendimento escolar e a aprendizagem. Os principais indícios de depressão são: rebaixamento do rendimento escolar, dificuldade de concentração, alteração da memória, raciocínio ou até lentidão psicomotora. O rebaixamento no desempenho pode comprometer a formação da auto-estima, podendo desencadear desde o distanciamento social, até o isolamento social. Os transtornos de conduta, agressividade com falhas no cumprimento de regras sociais também pode representar um sinal de depressão.

 


Quais são os principais Sintomas de Depressão em qualquer fase da infância?

- Mudança de humor significativa (irritado ou depressivo)

- Perda do interesse ou prazer por brincar

- Aumento ou redução da energia

- Aumento da sensibilidade (irritação ou choro fácil)

- Condutas agressivas e anti-sociais

- Problemas de socialização

- Sentimento de rejeição

- Ansiedade

- Atrasos no desenvolvimento psicomotor e lingüístico

- Negativismo e Pessimismo

- Auto-depreciação

- Queda no rendimento escolar (diminuição da atenção, memória, raciocínio ou lentidão psicomotora)

- Cansaço, fadiga.

- Perturbações somáticas como:

- Enurese e encoprese (urina ou defeca na cama)

- Perda ou aumento de apetite e conseqüentemente peso

- Distúrbios do sono

- Dores e sintomas físicos sem causa determinada: cefaléias, lombalgia, dor nas pernas, náuseas, vômitos, cólicas intestinais, vista escura, tonturas.


A criança depressiva não precisa apresentar todos os sintomas listados acima, mas deve satisfazer pelo menos 5 ou mais dos sintomas durante cerca de 2 semanas consecutivas.


Como tratar uma criança com depressão?

O reconhecimento das manifestações iniciais da depressão favorece o tratamento, pois possibilita o melhor prognóstico e a prevenção de outros problemas associados. Como a depressão interfere diretamente no desenvolvimento infantil, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado ainda na fase inicial da vida são muito importantes, já que as repercussões da doença são graves e sérias. O tratamento na maioria dos casos envolve a psicoterapia e a orientação familiar, em casos mais graves, a introdução de medicação apropriada pode ser recomendada.


Assim, ao suspeitar que uma criança esteja em depressão, não hesite em procurar um especialista para o diagnóstico e o estabelecimento do plano de tratamento. Os profissionais que devem ser procurados são incialmente o pediatra, e em seguida a opinião de um especialista em saúde mental como o psiquiatra e o psicólogo infantil.

 

Bibliografia

http://gballone.sites.uol.com.br/infantil/depinfantil.html

http://sites.uol.com.br/gballone/infantil/adolesc2.html

http://virtualpsy.locaweb.com.br/

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722005000200004&lang=pt

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572004000300003&script=sci_arttext

http://www.who.int/whr/2001/en/whr01_djmessage_po.pdf
http://www.boehringer-ingelheim.com.br/conteudo.asp?conteudo=932

Marcelli, Daniel. Manual de Psicopatologia da Infância de Ajuariaguerra. Porto Alegre: Artmed;1998. p 249-256.

 


A Plenamente agradece a colaboração da psicóloga Janaina Guzzardi na elaboração do texto.

2008-10-17 00:00:00

Profissionais relacionados

Temas relacionados

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.