sair

Tecle enter ou retorno para busca

Brincar ou Teclar


As habilidades na infância são tema gerador de inúmeras polêmicas entre os estudiosos do desenvolvimento infantil. Considerando os inúmeros fatores que influenciam o seu desenvolvimento, destacamos o fator ou componente genético como responsável por aproximadamente 70% da condição de uma criança para determinada habilidade. Dessa forma, compartilho das idéias dos Nativistas, cuja teoria postula que as habilidades inatas fluem muito naturalmente, restando então 30% para um ambiente facilitador propiciar experiências e aprendizagens.

Observando diariamente alguns bebês, poderemos diferenciar, muito precocemente, as suas características de funcionamento, assim como suas preferências. Alguns são mais parados corporalmente e atentos a estímulos visuais e auditivos; outros mais ativos corporalmente e mais curiosos para a exploração do que para a observação. Uns falam mais cedo, outros caminham mais tarde. No decorrer, digamos, dos 5 primeiros anos existirão inúmeras trajetórias. Mas, se tudo ocorrer normalmente, sem acidentes ou incidentes, por que alguns serão mais rápidos para correr, e outros mais rápidos para pensar?

O que dizer das crianças que sofrem privações das mais variadas, mas correm, saltam e usam o corpo com tanta desenvoltura?

Os empiristas dizem que todo o conhecimento provém da experiência. Aqueles que nascem com uma componente genético favorável à cinestesia corporal deverão seguir com facilidade, aprendendo técnicas para os esportes e desempenhando seu dia-a-dia naturalmente. Aqueles mais ligados ao pensamento e à linguagem e mais parados motoramente, não fosse muitas vezes pela insistência dos pais e pelo currículo escolar, dariam tudo para passar por uma bola sem precisar chutá-la, se possível não andar de bicicleta e, escrever, muito menos. Desenhar pra quê? Eu não gosto!

É preciso entender e aceitar as diferenças que, nos primeiros anos de vida até a adolescência, serão um grande diferencial, mas que, ao chegar a idade adulta, às vezes pouco significam. A pessoa livra-se de todas as cobranças relativas ao seu desempenho motor, seguindo uma carreira na qual quase não utilizará tantas habilidades motoras. Escolhe uma profissão mais intelectualizada, faz uso do computador, e o resto terceiriza.

Voltando para os nossos pequenos, sabemos que não existe uma programação prévia, por parte dos pais, em relação ao componente genético. Todos torcem por um bebê lindo, saudável e inteligente. Mas a criança não vem dotada de todos os tipos de inteligência. Então, resta ao fabricante (pai-mãe) tolerar, aceitar e ajudar. Como?

Se investirmos, cada vez mais, naquilo que a criança já traz como bagagem, naquelas áreas nas quais é naturalmente bem sucedida, ela ficará cada vez melhor apenas nesses aspectos. Aquilo que não gosta, ela tenderá a fazer cada vez menos.

O tempo vai passando, e o atraso fica maior. A criança, principalmente na escola, é convidada a desempenhar atividades com seus colegas, mas seu desempenho não corresponde ao desejado. Paralelamente é preciso ser criativo e lutar dramaticamente contra os atraentes brinquedos, que pouco oferecem no que se refere ao exercício das funções motoras e que raramente têm o que explorar depois que abrimos a caixa.

É necessário que pais, educadores e profissionais ofereçam materiais criativos, com os quais possamos lutar contra as inabilidades da criança até torná-la hábil. Trocar a birra negativista pela luta otimista. Lutar com vontade e repetidamente. Colocar sentido na construção de maquetes e objetos, tolerando que os primeiros trabalhos não sejam os melhores. É preciso repetir, tentar, frustrar-se até ter o controle da qualidade.

As próprias aprendizagens informais como passar geléia no pão, mexer o Nescau, servir-se nas refeições (desde que os pais permitam) são imprescindíveis. Todos perdem muito quando priorizam a limpeza e a organização da mesa, não tolerando alguns ou muitos grãos de arroz dispersos ou um suco derramado pelo ambiente. Todas as tentativas do dia-a-dia são válidas.

Entretanto, a concorrência com a informatização é muito grande. Não conheço uma criança com dificuldades motoras ou transtorno grafo-motor que não ame videogame, computador e que não jogue com sucesso. Recortar, colar, escrever, desenhar exigem praxias totalmente diferentes daquelas necessárias para acionar um botão ou usar o teclado. As primeiras necessitam o controle do gesto, independização de movimentos dos dedos em relação à mão, punho, antebraço e braço, além do controle da força. A segunda somente o ato de apertar, acionar, teclar. A sensação de pilotar uma máquina, através dos jogos eletrônicos, tende a desenvolver o prazer para aqueles que não o têm naturalmente. Acontece que, no dia-a-dia, necessitamos que a força, o controle e a destreza estejam em nós mesmos.

A criança precisa manusear, repetir movimentos, principalmente porque vive num mundo, cada vez mais descartável, onde se usa e se coloca quase tudo fora, onde se enjoa fácil de tudo e de todos.

É difícil acreditar que a quantidade e a repetição dos movimentos adequados torna-los-á mais hábeis. Penso que vale a pena tentar.

É possível fazer em casa objetos e brinquedos com caixas de papelão (nas quais chegam as tevês, as geladeiras, o computador, etc...); recortar nelas portinhas e janelas, fazer passagens secretas entre elas. Pintá-las, misturando tintas com rolos e pincéis, decorá-las por dentro e por fora. Isso se pode fazer numa área de serviço. Criar materiais, transformar aquilo que é neutro e sem forma em peças cheias de significado. Tente, seu filho, ou seu paciente, vai agradecer.

Indicação de livro:

MACHADO, Marina Marcondes. O brinquedo –sucata e a criança: A importância de brincar, Atividades e materiais, editora Loyola.

Este texto foi escrito para Plenamente por Jaqueline Gazola que é Psicomotricista e Psicopedagoga Clínica, professora de Avaliação Psicomotora da Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras, foi coordenadora e supervisora de Psicopedagogia durante 15 anos do CEAPIA (Centro de estudos, Atendimento e Pesquisa da Infãncia e Adolescência) em Porto Alegre, RS.

 

2004-11-10 00:00:00

Informe seu e-mail e receba nossos boletins

*Nunca usaremos suas informações para envio de spam