Página Inicial

Depressão pode ser tratada? Maria Alice Fontes

Todo mundo experimenta tristeza de vez em quando. Mas a depressão dura mais tempo, interfere com a vida diária e pode chegar a causar dor física. Felizmente, a depressão é tratável e procurar um tratamento eficaz é crucial. Este artigo tem o objetivo de explicar detalhes sobre a depressão e como ela pode ser tratada com sucesso.


De que forma a depressão é diferente da tristeza ocasional?
A diferença essencial entre tristeza e depressão é que, todo mundo se sente triste ou numa “maré baixa” de vez em quando, mas logo depois se sente melhor, aqueles que tem depressão experimentam extrema tristeza ou até desespero pelo menos durante duas semanas ou mais. Os indivíduos deprimidos tendem a se sentir impotentes e sem esperanças, culpando a si mesmos por esses sentimentos. A depressão interfere com as atividades de vida diária, tais como trabalhar ou simplesmente se concentrar. Há frequentemente alteração do sono e da fome, podendo ter aumento ou diminuição, de acordo com a reação de cada um. Um dos sintomas mais proeminentes é a falta de ânimo ou vontade. Algumas pessoas podem sentir irritabilidade ou raiva, ficando agitados por longos períodos. A pessoa com depressão é capaz de perder completamente a vontade por coisas que antes adorava. Outros possíveis sintomas de depressão incluem dores crônicas, como de cabeça ou de estômago. Alguns indivíduos deprimidos podem ter pensamentos de morte e até chegarem a pensar em acabar com a vida.

O que causa a depressão?
A depressão é causada por uma combinação genética, química, biológica, associada com fatores psicológicos, sociais e ambientais que contribuem para o início do transtorno (1). Doenças graves e crônicas, como doença cardíaca ou câncer podem ser acompanhadas por depressão. Transições significativas e os principais estressores da vida, como a morte de um ente querido ou a perda do emprego podem ajudar a desencadear a depressão. As causas da depressão não são sempre imediatamente reconhecíveis, portanto requerem uma avaliação cuidadosa para o diagnóstico do indivíduo por profissionais de saúde mental treinados. Muitas vezes, as circunstâncias envolvidas na depressão são aquelas sobre as quais um indivíduo tem pouco ou nenhum controle. Em outras ocasiões, no entanto, a depressão pode ocorrer quando as pessoas são incapazes de ver que elas realmente têm escolhas e que podem fazer mudanças em suas vidas.
 
A depressão pode ser tratada com sucesso?
A depressão é perfeitamente tratável quando o indivíduo recebe cuidados de profissionais treinados e competentes. Os psicólogos treinados em terapia cognitiva comportamental são habilitados a tratar pacientes com depressão. Observa-se que ainda existe uma certa relutância ou estigma associado com a procura de ajuda para a saúde emocional e mental, incluindo a depressão. Infelizmente, sentimentos de depressão frequentemente são vistos como um sinal de fraqueza e não como um sinal de que algo está fora de equilíbrio. O fato é que as pessoas com depressão simplesmente não conseguem se sentir melhores espontaneamente, precisando invariavelmente de um tratamento específico. Pessoas com depressão que não procuram ajuda, tendem a sofrer desnecessariamente. Sentimentos não expressos e preocupações acompanhadas por uma sensação de isolamento podem piorar o quadro de depressão. Estudos mostram que se a depressão não for tratada, pode durar por um longo período e interferir na memória e no volume do hipocampo, região primariamente associada com os processos de memória (1).

Quais as evidências que a psicoterapia ajuda no tratamento?
Muitos estudos têm demonstrado que Psicoterapia Cognitiva Comportamental é eficaz para o tratamento depressão(3). Os tratamentos psicológicos auxiliam os indivíduos com depressão leve para que não evoluam para um quadro de depressão severa. Sabe-se que apesar de o histórico de depressão na vida aumentar os riscos de futuros episódios, há evidências de que a psicoterapia pode diminuir as chances de recorrência (2).

A Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) foi desenvolvida psiquiatra Aaron Beck, na década de 1960 e atualmente muito é difundida como uma abordagem eficiente nos transtornos de humor. Este tipo de psicoterapia tem foco nos pensamentos e nas crenças de uma pessoa, trabalhando a maneira pela qual elas influenciam o humor e os comportamentos. A TCC tem o objetivo de buscar mudanças no pensamento e comportamento de um indivíduo para que ele seja o mais adaptativo e saudável possível.

Tanto o paciente e o terapeuta estão ativamente envolvidos no processo de tratamento, agindo como uma equipe em favor da saúde mental do paciente. O terapeuta ajuda o paciente a identificar padrões de pensamento distorcidos, reconhecer e mudar as crenças disfuncionais, buscando desenvolver habilidades sociais de forma mais positiva possível.
 
Algumas pessoas com depressão podem ser tratadas com sucesso com apenas TCC. Outros podem precisar tanto TCC e de medicação. A TCC ajuda as pessoas com depressão reestruturar padrões de pensamentos negativos. Ao se alcançar a mudança de pensamento, as pessoas conseguem interpretar seu ambiente e interagir com os outros de uma forma positiva e realista. A terapia também pode ajudar uma pessoa a reconhecer os fatores que contribuem para a manutenção da depressão e ajudá-la a mudar comportamentos que podem estar mantendo ou a piorando o quadro clínico.
 
Um dos primeiros objetivos de uma terapia para depressão deve ser: 
Identificar os problemas de vida que contribuem para a depressão, ajudando a entender quais os aspectos que podem ser capazes de resolver ou melhorar. Um psicólogo pode ajudar pacientes deprimidos a identificarem opções para o futuros e definirem metas realistas que lhes permitam melhorar o seu bem-estar mental e emocional. A psicoterapia também pode ajudar a identificar padrões de pensamentos negativos ou distorcidos que contribuem para os sentimentos de desesperança desamparo que acompanham a depressão. O tratamento psicoterápico pode ainda desenvolver habilidades sociais, criando estratégias e valorizando o enfrentamento dos desafios sociais tão importantes para quem está vivendo em depressão.

De que outras maneiras os familiares podem ajudar os indivíduos que sofrem de depressão?
Viver com uma pessoa deprimida pode ser muito difícil e estressante para os familiares e amigos. Assistir uma pessoa querida com depressão pode trazer sentimentos de impotência e desespero. Terapia de família ou casal podem dar orientações para os familiares desenvolverem formas eficazes de lidar com a depressão em conjunto com o paciente. Este tipo de psicoterapia também pode fornecer uma boa oportunidade para os indivíduos que nunca experimentaram depressão, saber mais e identificar maneiras construtivas para apoiar uma pessoa querida que está sofrendo de depressão. O envolvimento de familiares e amigos tem um papel crucial no tratamento da depressão. A família e os amigos podem encorajar a pessoa deprimida a se manter no tratamento e promovendo o enfrentamento e a resolução de problemas.

São medicamentos úteis para o tratamento da depressão?
Os medicamentos são úteis para reduzir os sintomas de depressão, particularmente quando a depressão é grave. É fundamental que os profissionais de saúde ofereçam a possibilidade da combinação de psicoterapia e medicamentos. O tratamento medicamentoso deve ser feito por um psiquiatra. Ele deve acompanhar de forma próxima, até que o medicamento e a dose se encaixe com o paciente. Vale lembrar que muitas vezes são necessárias algumas consultas até se conseguir o efeito benéfico desejado.  A psicoterapia é frequentemente recomendada como primeira linha de tratamento para crianças e adolescentes, especialmente aqueles com depressão leve a moderada. Além disso, alguns adultos com a depressão podem preferir psicoterapia do que a utilização de medicamentos, se sua depressão não é grave. Ao se realizar uma avaliação minuciosa, um profissional da área de saúde mental pode ajudar fazer recomendações sobre o curso eficaz do tratamento para a depressão.
 
Bibliografia
 
1. National Institute of Mental Heath http://www.nimh.nih.gov/health/topics/psychotherapies/index.shtml

2. Boldrini, Santiago et. al. Hippocampal Granule Neuron Number and Dentate Gyrus Volume in Antidepressant-Treated and Untreated Major Depression. Neuropsychopharmacology (2013) 38, 1068–1077. http://www.nature.com/npp/journal/v38/n6/abs/npp20135a.html

3. American Psychological Association
http://www.apa.org/topics/depress/recover.aspx
 

2015-07-19 00:00:00

Profissionais relacionados

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.