Página Inicial

Disciplina Positiva constrói pontes com os adolescentes. Bete P. Rodrigues, Maria Alice Fontes

 Você se lembra quando o seu adolescente era um bebê aprendendo a andar? Você não queria perder nada dessa fase, e você o apoiava e o encorajava muito. Com suas mãos, você pegava as mãozinhas dele e os dois caminhavam juntos - mas você sabia que tinha que largá-lo para que ele pudesse andar por conta própria. Você também sabia que ele poderia cair caso você o soltasse, mas você acreditava que isso fazia parte do processo.

Então, você o soltou, e ele deu alguns passos desajeitados e caiu. O que você fez? Você provavelmente o encorajou: “Olha! Você deu alguns passinhos. Você conseguiu. Vamos tentar de novo.” Vocês se divertiam muito. Quando ele cansava, você tirava seu time de campo e esperava. Você sabia que ele aprenderia a andar.

Enquanto isso, você preparava o ambiente, colocando proteções pela casa, cobrindo as quinas pontudas e tirando do caminho objetos que poderiam quebrar e machucar seu filho. Você criou um espaço seguro para que ele pudesse aprimorar suas habilidades. É isso que chamamos de “construir pontes”, e você é o construtor. Quando seus filhos são pequenos e frágeis, você constrói pontes estreitas com grades de proteção próximas, para que as crianças tenham espaço e segurança para se movimentar, experimentar, aprender e crescer. Quando elas vão crescendo e ficando mais habilidosas, você “afasta as grades da ponte”, para que elas possam ter mais espaço para se movimentar com maior liberdade, enquanto continuam seguras.

Agora você tem um adolescente que está aprendendo a ser um adulto. Como estão as grades da ponte? Você as está estreitando por causa dos seus medos? Você as está ampliando para dar suporte a esse processo? Você percebe que precisa soltá-lo para que ele possa dominar a arte de ser um adulto? Você sabe que quando você realmente soltá-lo, ele vai tropeçar e cair? Quando ele cair ou cometer erros, você compreende que isso é apenas parte do processo? (Você mesmo não tropeçou e caiu e errou?) Você o encoraja e torce por ele e demonstra que acredita que ele vai conseguir?

A adolescência é uma parte importante do processo de crescimento. Durante esse período, os adolescentes tentam descobrir quem eles serão como adultos e tentam se separar de seus pais.

O problema é que a maioria dos pais, nesse período, tomam atitudes que podem piorar a situação ao invés de melhorá-la. Entretanto, sabemos que passar pela adolescência pode ser como estar num campo de batalha tanto pra você quanto para seu filho. É fácil perder o respeito mútuo e o senso de humor.

Existem muitos desafios e dificuldades que os pais de adolescentes tem que enfrentar. Pode ser que os pais acreditem que depois de terem se dedicado tanto durante a infância, os adolescentes já deveriam ter aprendido como se comportar. Na realidade, o adolescente aprendeu muitas coisas com os pais. Ele aprendeu que precisa lutar pela sua individuação e pela estruturação de sua personalidade. Isso às vezes pode ser expresso por meio de revolta e confronto. Frente a estes comportamentos, você pode achar que errou com seu filho, e comece a acreditar que a maneira mais eficaz é adotar fortes princípios de controle. Entretanto, ao longo do tempo, os pais percebem que controle em excesso para os adolescentes realmente não funciona.

A Disciplina Positiva mostra que os adolescentes criados dentro de um ambiente de escolhas e responsabilidades estão mais confortáveis dentro do seu processo de individuação, sob as vistas dos pais, ao invés de precisarem fugir para longe deles para crescerem. Nós queremos que nossos filhos continuem por perto, para aproveitarem ao máximo o apoio e o vínculo nesta importante fase de aprendizado. Ter o adolescente por perto, mesmo fazendo erros, pode ser uma oportunidade grande de aprender ou reaprender o significado do respeito mútuo e das diferenças entre os seus pontos de vista e os dele. Quando os pais aprendem a ser firmes com carinho, ao invés de simplesmente controlar, terão a chance de ver quão fascinante o adolescente pode se tornar.

Se você, como pai, educou o seu filho com pulso firme e excesso de controle, saiba que ele irá agradecer se você conseguir dar mais liberdade neste momento. Entretanto ele precisaria treinar o que significa liberdade com responsabilidade, de acordo com as suas escolhas. Não é um caminho fácil, mas os pais precisam abrir mão do controle para conseguirem os melhores resultados no longo prazo.

Se você protegeu e cuidou demais do seu filho, saiba que ele pode não estar entusiasmado com tanta responsabilidade. Ele pode ter acostumado com você fazendo tudo para ele, e pode achar que a responsabilidade deve continuar sendo sua. Seu filho pode não ter desenvolvido habilidades de enfrentamento e tenha até eventualmente um pouco de medo. Não se assuste se o seu filho lhe provar que é seu papel como pai continuar a fazer as coisas para ele. Não se assuste com a raiva que pode ter de você, quando pedir que ele se responsabilize pelas suas próprias atitudes. Quando as crises de revolta passarem, pode ser que o seu filho consiga se tornar mais responsável e colaborativo.

Um dos grandes desafios da Disciplina Positiva com adolescentes é fazer com que os pais consigam acertar na dose de disciplina e de generosidade, oferecendo um ambiente de testes para desenvolverem a sua auto estima e a individualidade. Ele precisa aprender com seus próprios erros e sob o vínculo positivo dos pais, que vale a pena tentar desenhar um adulto resiliente e forte na vida.


Baseado e adaptado por Bete P. Rodrigues e Maria Alice Fontes, do livro: Positive Discipline for Teenagers.

2015-06-09 00:00:00

Profissionais relacionados

Temas relacionados

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.