Página Inicial

Transtorno do Espectro Autista (TEA). Maria Alice Fontes

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é transtorno do neurodesenvolvimento infantil caracterizado por dificuldades na interação social, comunicação, comportamentos repetitivos e interesses restritos, podendo apresentar também sensibilidades sensoriais.

Esses comportamentos muitas vezes se manifestam pelo interesse intenso e focalizado em um assunto em particular; com movimentos corporais estereotipados como agitar as mãos; e uma sensibilidade aumentada a sons ou texturas.

O conceito de espectro reflete a ampla gama de desafios e até que ponto que as pessoas com autismo podem ser afetadas. O ocorrência é de cerca de um em cada 100 pessoas tem um TEA. Sabe-se que é quatro vezes mais comum em meninos do que meninas.

A qualidade de vida de muitas crianças e adultos pode ser significativamente melhorada por um diagnóstico precoce e a indicação de tratamento.

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é caracterizada por dificuldades acentuadas no comportamento, interação social, comunicação e sensibilidades sensoriais. Algumas destas características são comuns entre pessoas com um transtorno do espectro autista; outros são típicos da doença, mas não necessariamente exibido por todas as pessoas do espectro do autismo.

  • Comportamental
  • A interação social
  • Comunicação

Comportamental

As pessoas com o transtorno do espectro autista, devido às dificuldades que têm de responder ao ambiente, podem apresentar um comportamento incomum. O seu comportamento é geralmente uma tentativa de comunicar os seus sentimentos ou para lidar com uma situação. Problemas de comportamento podem ocorrer como resultado de sua maior sensibilidade a um som ou algo que pode ter visto ou sentido.

As pessoas com transtorno do espectro autista, aderem rigidamente a rotinas e podem passar seu tempo com comportamentos repetitivos a fim de tentarem reduzir as incertezas e manter a previsibilidade do ambiente.

Outros comportamentos podem incluir:

Interesses intensos ou híper foco;
Movimentos corporais estereotipados e repetitivos, tais como agitar as mãos;
Manipulação repetitiva de objetos, tais como ligar e desligar ou alinhar brinquedos;
Insistência em aderir a rotinas, tais passar sempre pelo mesmo lugar e fazer as coisas exatamente na mesma ordem a cada vez;
Interesses sensoriais incomuns, como cheirar objetos ou olhar atentamente para objetos em movimento;
Sensibilidades sensoriais, incluindo a evitação de sons do cotidiano e texturas, como secadores de cabelo, aspiradores de pó e areia;
Deficiência intelectual ou dificuldades de aprendizagem

A interação social

As pessoas com TEA têm dificuldade em estabelecer e manter relacionamentos. Eles tem dificuldades para entender algumas formas de comportamentos não-verbais típicos como como expressões faciais, gestos físicos e contato visual. Eles são muitas vezes incapazes de compreender e expressar as suas necessidades, assim como eles podem ter dificuldades de interpretar e compreender as necessidades dos outros. Isso prejudica sua capacidade de partilhar interesses e atividades com outras pessoas. Por esta razão, podem parecer distantes e indiferentes. A dificuldade de comunicação verbal em geral acarreta problemas de interação social, podendo abandonar brincadeiras de jogos, com comportamentos repetitivos para evitar a interação.

Suas dificuldades de interação social pode se manifestar das seguintes formas:

  • Utilização limitada e compreensão da comunicação não-verbal, como o olhar, a expressão facial e o gesto;
  • Dificuldade de iniciar e manter amizades;
  • Falta de compartilhamento de prazeres, interesses e atividades com outras pessoas;
  • Dificuldades com a capacidade de resposta social e emocional.

Comunicação

Pessoas com um TEA, invariavelmente, têm de uma forma ou de outra dificuldades de comunicação. Há algumas pessoas com ASD que falam fluentemente, outros podem ter alteração da fala em diferentes graus, alguns poucos podem ainda serem incapazes de falar normalmente. Dentre os que conseguem falar, sua linguagem pode ser limitada ou incomum.

O seu discurso pode incluir a repetição de frases ou palavras de forma a fazer as mesmas perguntas várias vezes. As pessoas com ASD geralmente só falam de temas que são de interesse para eles mesmos, o que torna difícil a troca de experiências na comunicação. Eles têm dificuldade em interpretar as formas não-verbais de comunicação, como expressões faciais, gestos e outras linguagens corporais.

Comunicação prejudicada é caracterizado por:

  • Desenvolvimento atrasado da linguagem;
  • Dificuldades de iniciar e manter conversas;
  • Uso estereotipado e repetitivo da linguagem como repetir sempre as mesmas frases.

 

 Veja o vídeo sobre Autismo:

http://youtu.be/AUtjZxPFVv4

 

Bibliografia:

http://autismoerealidade.org/
http://www.webmd.com/brain/autism/autism-spectrum-disorders
https://www.autismspectrum.org.au/

2014-09-06 00:00:00

Profissionais relacionados

Temas relacionados

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.