Página Inicial

O Déficit de Atenção e as Funções Executivas

Vários pesquisadores têm mostrado que as características principais do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) estão associadas a uma dificuldade para inibir ou frear impulsos. Partindo destes achados, Dr Russel A. Barkley (1998) afirmou que esta dificuldade na inibição dos impulsos não permite que alguns dos processos psicológicos, como as funções executivas, possam operar eficientemente.

As funções executivas são atividades mentais complexas necessárias para planificar, organizar, guiar, revisar e monitorar o comportamento necessário para alcançar metas. Estas funções começam a se desenvolver a partir do primeiro ano de vida e continuam desenvolvendo-se até a adolescência. Através delas, por exemplo, podemos focalizar a atenção em uma atividade sem a interferência dos estímulos distratores. As funções executivas permitem guiar nossas ações mais pelas instruções que damos a nós mesmos, do que por influências externas. Ou seja, permitem a auto-regulação do comportamento para podermos executar aquilo que nos propomos a fazer (Barkley, 1998).

No caso de crianças, podemos usar o exemplo do momento de fazer as tarefas escolares. Todas as crianças de 4 a 8 anos necessitam de diretrizes externas para fazer suas tarefas. É necessário proteger-lhes daquilo que pode distrair e ensinar a não responder a tendência natural de fazer outras atividades (ver televisão, atender o telefone, falar com seu irmão, apontar o lápis). Ou seja, ensinar a não responder a estímulos que são mais atrativos e influentes para eles. Pouco a pouco, eles aprendem a controlar os impulsos de envolverem-se em atividades mais interessantes, o que se conhece como inibir impulsos.

Durante a tarefa escolar também é necessário lembrar às crianças o que é preciso fazer, dar instruções enquanto trabalham, motivá-los, ajudá-los a tolerar experiências frustantes e ensiná-los a lidar com os obstáculos que se apresentam. Entretanto, chega o momento em que as crianças, talvez de 9 anos em diante, conseguem internalizar em boa parte estas diretrizes externas e o auxílio dos pais passa a não ser tão necessário. Então, para alcançar a meta de realizar a tarefa escolar, podem frear com maior facilidade o fato de fazer coisas mais interessantes e conseguem recordar o que devem fazer (buscar o caderno, fazer a tarefa de matemática, guardar a mochila), dar a si próprio instruções ("depois que termina pode brincar com amigos"), proteger-se das frustrações que naturalmente vão surgir e ser criativos ou flexíveis para buscar a solução aos obstáculos que se apresentam. Isto se consegue por meio das funções executivas.

Esta notícia foi traduzida e adaptada pela Plenamente do site
www.chadd.org/webpage.cfm?cat_id=13

2002-11-08 00:00:00

Profissionais relacionados

  • Não existe(m) profissionais relacionados!

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.