Página Inicial

Os Ciclos, Equipe Plenamente

Antigamente, a transição das estações era uma parte importante da vida. Os equinócios e solstícios eram celebrados, não só por motivos religiosos, mas porque a vida diária era diretamente afetada pela natureza, pelo clima.

 

Essas celebrações nos ajudavam a conhecer e compreender os ciclos da vida, da natureza, de nosso próprio corpo e espírito. Hoje em dia, essas celebrações se perderam.

 

Celebrar é uma Necessidade

 

Apesar da modernidade, ainda sentimos necessidade de celebrar. Um bom exemplo disso é o fim do ano – o excesso das festas, de compras, de comida e bebida, a fúria das resoluções de ano novo, que às vezes caem no esquecimento.

Sentimos a necessidade de celebrar, de marcar a passagem do ano, de encerrar um ciclo.

 

Ritos de Passagem

 

Celebrações são ritos de passagem. Assinalam o final de um ciclo e o começo de outro, nos situam no contexto do todo. Nos convidam a olhar para trás, para o ciclo que está finalizando, e descobrir o que aprendemos, quais foram nossos erros e nossos acertos; e nos dão informação sobre o próximo ciclo, sugerindo como deveremos agir, quais deverão ser nossos próximos passos.

 

Manter as tradições de passagem, os ritos e celebrações, essa forma de contar o tempo, só depende de nós. Com o passar dos anos e das gerações, palavras novas vão surgindo, algumas vão caindo em desuso e outras adquirem novos significados.

 

Celebrar ou Comemorar?

 

Comemoração, por exemplo, é interpretada e realizada como festa. Comemoram-se aniversários da nascimento, de casamento, de fundação, prêmios obtidos e momentos especiais.

 

Algumas empresas têm várias e boas razões para comemorar: lançamentos de novos produtos, metas atingidas ou superadas, prêmios diversos, lucros, inauguração de novas instalações, aquisições ou fusões e muitos outros motivos.

 

Em princípio, a celebração teria mais ou menos o mesmo sentido da comemoração, mas hoje, celebrar parece ter um significado mais profundo, mais interativo, menos “festeiro”.

 

Celebrar é compartilhar alegrias e vitórias. Pode-se celebrar de modo discreto, quase silencioso, mas nem por isso menos intenso e verdadeiro. Para serem celebradas, não precisam ser grandes alegrias e vitórias – até porque estas não têm tamanho, peso nem altura, apenas devem ser celebradas.

 

Uma significativa diferença entre ambas é que as comemorações geralmente têm data certa para acontecer. As celebrações, não. Podem ocorrer a qualquer momento, em qualquer dia – basta saber que alguém realizou um sonho, superou um desafio, ganhou uma nova competência ou está vivenciando algo que o deixa feliz.

 

Celebrar o quê?

 

Em toda pessoa, há sempre um componente que merece ser celebrado – basta querermos ver e reconhecer. Talvez poucas formas de celebração sejam tão poderosas e gratificantes quanto o reconhecimento por um trabalho bem feito, uma atitude digna ou o final de um ciclo.

 

Celebração é algo que tem muito mais a ver com o coração do que com a razão – e pode-se fazê-la apenas com palavras, gestos ou preces, o que não seria possível numa comemoração, que está mais para festa. Portanto, são coisas diferentes, mas nem por isso uma é mais ou menos importante do que a outra.

 

Como demonstrar as emoções e afetos?

 

Um elogio, um abraço, um gesto carinhoso ou fraternal, um e-mail de afago, um presente, um alegre telefonema inesperado... Estes exemplos de celebração podem ser feitas a custo praticamente zero – o que não se pode dizer em relação às comemorações.

 

Por fim, é importante destacar que, mesmo com tantas diferenças práticas, há algo em comum e essencial entre comemoração e celebração. Algo tão fundamental que é quem de fato legitima sua autenticidade: em ambas, comemoração ou celebração, é absolutamente indispensável a presença do sorriso que sai do coração.

 

Assim, nós da Plenamente, queremos que você celebre e comemore as festas de final de ano, independente da sua crença, grupo ou religião, esperamos que sorria e agradeça por tudo o que alcançou neste ciclo.

 

 

 

Bibliografia

 

 

 

 

 

Este texto foi adaptado por Maria Alice Fontes a partir das seguintes informações:

 

http://deusario.com/porque-celebrar-o-equinocio-de-outono/

http://www.portaldafamilia.org.br/artigos/artigo383.shtml

 

2010-12-16 00:00:00

Profissionais relacionados

Temas relacionados

  • Não existe(m) tag(s) relacionada(s)!

Notícias relacionadas

  • Não existe(m) noticias(s) relacionada(s)!

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.