Página Inicial

Você sabe como se forma a personalidade? Maria Alice Fontes

Muitas vezes questionamos os motivos que levam uma pessoa a ter determinadas escolhas ou atitudes diante de uma situação – “Por que ela escolheu tal profissão?”; “Por que ele prefere rock, e não gosta de música clássica?”; “Por que tal pessoa fica agressiva diante de uma situação, sem tanta gravidade?”; “Por que alguém é tão perfeccionista, enquanto outro é relapso em seus afazeres?”

 

Esse questionamento parte do princípio de que diferentes pessoas têm diferentes comportamentos, sob as mesmas circunstâncias. O comportamento nos leva a agir e escolher de determinada maneira e não de outra. Isso se deve a personalidade.

 

O que é personalidade?

 

A personalidade é um conjunto de características ou traços que diferencia os indivíduos. É uma organização dinâmica dos aspectos cognitivos, afetivos, fisiológicos e morfológicos de uma pessoa, que resulta num padrão de comportamento persistente, que determina seu funcionamento em todos os contextos de sua vida: o modo como percebe as situações, como pensa a respeito de sai mesmo e do mundo, e como se relaciona com os outros.

 

Uma vez que a personalidade determina a ação de um indivíduo, ao conhecê-la, podemos prever o que ele fará diante de uma situação.

 

Como a personalidade se desenvolve?

 

Em primeiro lugar, há a concepção de que o ser humano é BIOPSICOSSOCIAL, ou seja, toda sua dinâmica é composta pela influência dessas três esferas. A origem do comportamento humano, e conseqüentemente, da personalidade, segue essas vertentes: de um lado, estão as características genéticas e fisiológicas, e de outro, suas experiências e relações com o mundo.

 

Dessa forma, o ser humano não pode ser considerado como um produto exclusivo de seu meio, tal como um aglomerado dos reflexos condicionados pela cultura que o rodeia e despido de qualquer elo mais nobre de sentimentos e vontade própria. Não pode, tampouco, ser considerado um punhado de genes, resultando numa máquina programada a agir desta ou daquela maneira, conforme teriam agido exatamente os seus ascendentes biológicos.

 

Qual o papel da família no desenvolvimento da personalidade de uma criança?

 

É a partir da relação com seus pais que a criança aprende conceitos a respeito de si mesmo e do mundo a sua volta. Por exemplo, uma criança, cuja família a estimula e encoraja a encarar os desafios de seu desenvolvimento (como andar, falar, ir à escola), terá maiores subsídios para construir uma personalidade com maior auto-estima e a lidar, de forma mais madura e adequada, com os desafios e frustrações que surgirão ao longo de toda a sua vida.

 

Outro exemplo é o da criança cujos pais são superprotetores. Ao não permitirem que os filhos brinquem num parque por temerem que este se machuque, ao não deixá-los ir à casa de um amiguinho por acharem que não será cuidado adequadamente, e ao evitarem expô-los às situações normais do desenvolvimento infantil, faz com que a criança aprenda conceitos de que viver é um risco, e que pode sofrer danos em muitas situações. Dessa forma, é provável que uma personalidade com traços ansiosos e de medo seja desenvolvida, se houver pré-disposição biológica para isso.

 

Quando um traço de personalidade se transforma em um problema?

 

Não existe uma personalidade certa ou errada; boa ou ruim, os traços ou características de personalidade advindos das crenças que construímos ao longo da vida são aprendizados que obtemos a partir das relações e experiências que temos, principalmente, em nossa infância. Apenas quando são inflexíveis e mal-adaptativos e causam prejuízos significativos ou sofrimento para a pessoa é que esses traços constituem um quadro patológico muito importante e grave, denominado Transtornos de Personalidade.

 

Diferente do traço de personalidade, o transtorno de personalidade, exerce enorme pressão sobre a vida da pessoa, impedindo-a de viver plenamente, pois, a deixa presa em sensações e sentimentos que a fazem enxergar as situações sempre da mesma maneira, no lugar da realidade.

 

Qual e diferença entre o traço de personalidade e o Transtorno de personalidade?

 

Pode-se dizer que os traços de personalidade são a maneira de ser da pessoa, o modo de sentir as emoções ou o jeito de agir. Um transtorno de personalidade aparece quando esses traços são muito inflexíveis e mal-ajustados, ou seja, prejudicam a adaptação do indivíduo às situações que enfrenta. Os Transtornos de Personalidade formam uma classe de doença mental onde os traços de personalidade de uma pessoa são inflexíveis e existe a falta de aptidão para lidar normalmente com determinadas situações. Os transtornos de personalidade fazem passam a prejudicá-la e incomodá-la e, ou mais comumente aos que lhe estão próximos, trazendo sofrimento.

 

O que podemos concluir sobre a personalidade?

 

A personalidade é o modo de ser do indivíduo, a tendência de ser de uma determinada forma de acordo com sua herança genética, sua história pessoal e suas crenças. Este modo de ser do indivíduo, a sua forma, é preenchida com o seu conteúdo, que lhe dá a unidade da personalidade com a característica de ser exclusivo e ímpar em relação a todos os demais seres humanos.

 

 

Referências Bibliográficas

 

American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais - 4º edição. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. 845 p.

 

Beck A., Freeman A. Terapia cognitiva dos transtornos de personalidade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

 

Beck JS. Terapia cognitiva – teoria e prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

 

www.psiqweb.com.br

2009-11-19 00:00:00

Profissionais relacionados

Temas relacionados

Assine nosso Informativo

Cadastre-se gratuitamente e receba nossos Boletins:
CRP/SP: 3605/J
R. João da Cruz Melão 443, Morumbi, SP (mapa)
© 2017. Clínica Plenamente.
O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.